A Aldeia Jesuítica de Carapicuíba, ponto turístico mais visitado da cidade, é uma das 12 aldeias fundadas pelo padre José de Anchieta (por volta de 1580), para catequizar os índios e pouco se desenvolveu até a chegada dos trilhos da Estrada de Ferro Sorocabana, em 1875.

A aldeia é um largo marcado pela igreja, presença principal da paisagem urbana. O espaço entre a fachada da igreja e a cruz do adro (espaço, aberto ou fechado, que fica diante do portal da igreja) era considerado sagrado, segundo os jesuítas locais, porque ali o demônio não tinha o poder de se fazer presente.

Parcialmente destruída pelos jesuítas para impedir que os índios permanecessem no local, foi reconstruída, em 1727, com aproveitamento dos remanescentes das antigas instalações. Desenvolveu-se em torno de uma praça retangular, para a qual se voltam pequenas casas geminadas, em taipa de mão, com telhados em duas águas e cumeeira paralela à rua.

Composta também por uma biblioteca pública, delegacia, um pequeno centro comercial e uma sala de exposição cultural permanente, mantém sua arquitetura originalmente conservada e recebe grandes festas todos os anos, como a Festa de Santa Cruz.

O conjunto arquitetônico e urbanístico da Aldeia de Carapicuíba foi tombado pelo Iphan, em 1940, e é considerado muito importante devido à permanência de sua primitiva feição urbanístico-arquitetônica. É um exemplo da precariedade das instalações dos jesuítas em território paulista, quando comparado às grandes missões religiosas da Região Sul do Brasil.

Também localizado na Aldeia, o Teatro Arena é o espaço ao ar livre onde acontece anualmente a encenação da peça “Drama da Paixão de Cristo” e a realização de missas e shows de música popular. Já o Teatro Jorge Amado, que está localizado no centro da cidade, é um espaço que recebe espetáculos amadores e profissionais.

Pontos turísticos:

  • Aldeia de Carapicuíba
  • Teatro Municipal Jorge Amado