Vez ou outra surgem inovações super bacanas no mundo da gastronomia, mas que às vezes parecem não estar ao alcance do nosso negócio, certo?

Então, neste post, vamos falar sobre algumas tendências de gastronomia e como elas podem ser adaptadas de forma acessível para que o seu restaurante fique por dentro das novidades do mercado. Confira!

Proteínas alternativas e comidas a base de plantas

Pesquisas indicam que 63% da população tem interesse em reduzir ou excluir o consumo de carne de suas rotinas. Ou seja, seu restaurante precisa estar de olho em como atender esse público crescente, com pratos que fujam de ingredientes de origem animal.

Essa tendência pode ser facilmente adaptada com a inclusão de pratos com os ingredientes que atendem essas preferências.

Exemplos de alimentos com proteína:

Amêndoas

Soja

Quinoa

Feijão

Lentilha

Abacate

Exemplos de pratos a base de plantas:

Couve-flor Assada

Purê de mandioquinha com molho de Cogumelos

Ratatouille

Saladas com Tofu

Pratos com vegetais e de proteínas alternativas costumam ser mais populares nas estações mais quentes. Aproveite o verão para introduzir essas novas opções no seu cardápio.

Alimentos para o bem estar

Existe um novo segmento chamado “mood food” que, em tradução livre, seria algo como “comida do humor” ou “comidas para o bem estar”. Assim como no fast food, as mood foods são comidas rápidas, mas que ajudam as pessoas a relaxarem e ficarem felizes. A projeção é que esse mercado ficará avaliado em 732 bilhões de libras até o fim deste ano. Então, vale a pena ficar de olho.

Nossa sugestão para você adequar essa tendência é criar experiências legais para os seus clientes. No seu delivery você pode criar uma categoria especial para diferentes sentimentos: “para melhorar o humor”, “para fugir da tpm” ou “para comemorar”, por exemplo.

Outra opção para criar experiências e surpreender seus clientes é criar embalagens personalizadas e divertidas para o seu delivery.

Evitar desperdício de comida

Pesquisadores descobriram que 200 milhões de ovos vão para o lixo a cada ano nos EUA e estão criando um revestimento de proteína comestível para manter os alimentos frescos por mais tempo. Desta forma, abre-se uma oportunidade para resolver um grande problema para restaurantes: o desperdício de comida.

Trazendo para a realidade, é possível incluir estratégias para evitar o desperdício de alimentos com ações simples no seu estoque como:

Usar prateleiras abertas para que tudo esteja sempre visível;

Fazer uma contagem e checagem da validade dos produtos com frequência;

Separe os seus insumos por categorias dos mais usados para menos usados;

Fazer o armazenamento correto, mantendo alimentos secos longe do sol e a geladeira na temperatura correta.

Assim, fica mais fácil controlar a validade e evitar perda de alimentos enquanto essas tecnologias mais avançadas ainda não estão disponíveis e acessíveis, certo?

Utensílios comestíveis

Em 2018, a Nova Zelândia baniu o uso de sacolas plásticas de único uso. Aqui no Brasil, em 2019, o arquipélago de Fernando de Noronha proibiu a entrada dos plásticos descartáveis na ilha.

Já ficou muito claro o quanto o plástico é agressivo ao meio ambiente pela sua dificuldade de decomposição. Por isso, as inovações nesta área são pensadas para evitar ao máximo o uso desse material. Já se fala até em utensílios e embalagens comestíveis como um sorvete de manga em uma casca de coco e um sorvete de baunilha embalado em um recipiente à base de amendoim.

Sabemos que, no delivery, muitos clientes ainda pedem os utensílios pela praticidade de fugir da louça, não é mesmo? Por isso, nossas recomendações são:

Disponibilizar utensílios biodegradáveis, com decomposição mais rápida;

Incluir no seu aplicativo próprio ou site a opção de não pedir utensílios;

Oferecer um cupom de desconto na próxima compra para incentivar a diminuição dos materiais descartáveis.

Inovações da gastronomia 2021 para ficar de olho!

As soluções para o setor de alimentos costumam ser um tanto curiosas, veja algumas:

Leite de vaca feito sem vacas

De acordo com pesquisadores de um laboratório, a produção de leite é responsável pela emissão de 4% de gases de efeito estufa da atividade humana. Sem contar que a produção de gado emite 37% das emissões de metano no mundo.

Parece filme de ficção científica, mas já está em prática a produção de laticínios a partir do uso e estímulo de células de mamíferos.

Carne de Laboratório

Isso mesmo! A ideia de produzir carne em laboratório já existe há algum tempo. O primeiro resultado destes testes foi lançado em 2013 com formato de hambúrguer por nada mais, nada menos do que 325 mil dólares.

Mas, com o avanço tecnológico dos últimos anos, já existe movimentação no mercado prevendo que o produto chegue às prateleiras ainda em 2021 com um valor mais acessível! Será?

Algumas das vantagens da carne celular é que ela não necessita de recursos hídricos em abundância para a produção do gado, não causa sofrimento aos animais e nem seu abate.

Robô garçonete e zeladora

Depois de uma pandemia mundial que triplicou os cuidados com higienização, é difícil não pensar em como será o futuro das interações entre garçons e clientes nos restaurantes.

Pensando nisso, uma empresa inglesa criou dois robôs: um especializado para limpar ambientes com raios ultravioleta e, também, uma robô-garçonete.

A Amy, como foi batizada a robô garçonete, retira pedidos e serve pessoas com uma bandeja acoplada e sorriso sempre presente. A Rosie do desenho Jetsons nunca foi tão real, quem lembra?

FONTE – Blog Vitto