São Paulo divide férias escolares de julho em 3 períodos

O governo de São Paulo anunciou, em 26/4, que as férias de julho serão encurtadas de 30 dias para duas semanas. Anteriormente, alunos e professores, por exemplo, tinham todo o mês de recesso escolar.

Os 30 dias de férias serão divididos da seguinte forma: duas semanas no mês de julho e o restante entre a Semana Santa e a semana do professor, em 12 de outubro.

“Em 2020, o calendário escolar da rede estadual será modificado para beneficiar alunos e docentes. As escolas terão pausas no meio de cada semestre e o cronograma poderá ser unificado com os 645 municípios paulistas. Diversos estudos comprovam que menos tempo contínuo fora da escola garante melhora significativa na aprendizagem dos alunos. Importante ressaltar que o cumprimento dos 200 dias letivos estará garantido neste modelo”, afirmou João Doria em sua conta no Intagram.

O SinHoRes Osasco – Alphaville e Região vem defendendo a ideia, trabalhada pelo trade de turismo, há algum tempo. “A medida favorece o turismo em baixa estação, ou seja, quando as tarifas são menores. É preciso ter em mente que os tempos mudaram e ninguém mais fica 30 dias seguidos viajando ou descansando. Pausas menores e em maior quantidade favorecem a todos”, afirmou o presidente Edson Pinto.

A medida inclui as secretarias estaduais de Turismo e Educação, as secretarias municipais de Educação e sindicatos como o dos professores. O programa, chamado de “Mais Férias”, foi divulgado no Palácio dos Bandeirantes, em São Paulo, pelo governador João Doria.

Com informações de Panrotas