Nesta sexta-feira, 15/9, o presidente do SinHoRes Osasco – Alphaville e Região, Edson Pinto, participou do lançamento do Movimento Legalidade, programa de combate ao contrabando, pirataria e falsificação, realizado pelo Movimento em Defesa do Mercado Legal Brasileiro em parceria com a prefeitura de São Paulo.

Antonio Carlos Henriques, presidente do Sindicato das Indústrias de Panificação e Confeitaria de Santo André. ao lado do presidente Edson Pinto

O SinHoRes, ativo no combate ao comércio ilegal, contrabando, descaminho e falsificação, colaborou com a criação da Frente Parlamentar de Combate ao Contrabando e Ilegalidade no estado de São Paulo. “O sindicato patronal tem interesse direto nessa questão, pois, além de ser uma ação de cidadania e busca pela legalidade, precisamos combater especialmente a concorrência desleal que o comércio ilegal de cigarros, bebidas frias e quentes causam no setor”, explicou. Ainda de acordo com Edson, o cigarro é um dos principais produtos de venda do segmento e seu contrabando afeta todo o funcionamento dos estabelecimentos, desde a diminuição do faturamento até o corte de despesas e demissão de funcionários. “De acordo com o Datafolha, as marcas de cigarro paraguaias contrabandeadas são responsáveis por 45% das vendas do produto em São Paulo. Enquanto esse volume cresce exponencialmente, o mercado formal sofre retração de igual proporção”, explicou.

No evento, além do prefeito da cidade de São Paulo, João Dória, participaram o prefeito de Campinas, Jonas Donizette, também presidente da Frente Nacional de Prefeitos; deputados federais e estaduais; e vereadores e representantes de diversas entidades que apoiam o Movimento de Combate à Ilegalidade, na qual o SinHoRes também faz parte.

Renato Casarotti, diretor jurídico e de relações externas da Souza Cruz, com Edson Pinto

Em sua fala, Dória falou sobre o cumprimento da lei em São Paulo e sobre as vítimas que caem no mercado da ilegalidade. “Na cidade de São Paulo, a lei será cumprida integralmente. Aqui não haverá espaços para coitados dentro desse mercado, mas para o respeito à legalidade e a ação do poder público para permitir que as pessoas que caem nas mãos dessas facções criminosas tenham oportunidade na formalidade”, afirmou.

O principal objetivo do Movimento Legalidade será combater o contrabando, pirataria e a falsificação para o desenvolvimento da sociedade e geração de emprego e segurança de todos paulistanos. “Não se trata de uma ação contra a oportunidade do trabalho, mas a favor da oportunidade do trabalho legal, que não coloca pessoas simples e humildes sendo subjugadas por facções criminosas”, completou o prefeito de São Paulo.

Na ocasião, Edson Pinto representou também a Federação de Hotéis, Restaurantes, Bares e Similares do Estado de São Paulo (FHORESP) e a Confederação Nacional do Turismo (CNTur).