No próximo dia 16 de novembro, será lançado oficialmente o Pix, novo sistema de pagamentos instantâneos do Banco Central. Para o presidente do SinHoRes Osasco – Alphaville e Região, Edson Pinto, o Pix vai mudar o fluxo de pagamentos porque o consumidor poderá pagar por produtos e contas utilizando apenas o celular. “De certa forma, pode estimular ainda mais o comércio local e o turismo, porque ninguém vai precisar de cartões ou dinheiro em espécie para efetuar um pagamento e a nossa expectativa é que haja uma redução das tarifas de débito, crédito e antecipação cobradas pelas maquininhas.”

E, se por um lado a vida do consumidor deve ficar mais fácil, com um novo sistema mais seguro, rápido e sem custos para pessoas físicas, do outro a chegada do Pix pode colocar em xeque o modelo de negócios de muitas empresas que hoje atuam em diferentes elos da cadeia de meios de pagamentos, como as adquirentes (donas das maquininhas) e as bandeiras de cartão.

E o tamanho desse impacto pode ser significativo: um estudo sobre o Pix, feito pela consultoria alemã Roland Berger, projeta que o mercado de adquirência pode deixar de arrecadar até R$ 13 bilhões por ano em receitas com a chegada do novo sistema.

Hoje, para uma transação acontecer é necessária uma conta origem e uma conta destino, mas também um emissor de cartão [banco], uma adquirente [dona da maquininha], uma bandeira de cartão e um processador [que é a conexão entre todos os outros intermediários].

Dessa maneira, as comissões e taxas cobradas das empresas, que hoje são elevadas (a média ponderada é de 1,7%, mas podem passar de 5% da transação), com o Pix tendem a ser muito menores, e até mesmo gratuitas, devido à redução na quantidade de intermediários.

Existirá apenas um deles entre a conta origem e a destino, o Sistema de Pagamentos Instantâneos (SPI), que é a infraestrutura de liquidação e tecnologia por trás do Pix. Ela é gerida pelo BC e permite que as transações aconteçam de forma instantânea.

Com o Pix não será necessário um acordo entre as partes, basta que ambas as empresas estejam conectadas ao sistema do BC e o cliente vai decidir como quer pagar: pela conta que possui na carteira digital, na fintech, no banco tradicional ou até mesmo em uma varejista. Isso porque o cliente poderá pedir ao supermercado que emita um QR code com o valor da compra e poderá fazer o pagamento por meio de qualquer conta que tiver, desde que esteja cadastrada no Pix.

Por isso, apesar de as adquirentes e bandeiras de cartão serem as mais impactadas, na esteira das transformações os bancos tradicionais também vão ter que se adaptar ao novo modelo com mais concorrentes e mais digitalização, já que as fintechs, carteiras digitais e até as grandes varejistas vão ter oportunidades de negócios antes impraticáveis – e todos vão competir entre si pela mesma coisa: as contas dos clientes.

FONTE – Infomoney