O iFood tem atuado para auxiliar e ressarcir os clientes que caíram no golpe dos entregadores de aplicativos de comida, que já provocou, em São Paulo, um prejuízo de 600 mil reais aos consumidores desde o início da pandemia. De acordo com dados do Procon-SP, de março a julho, foram registradas 125 denúncias contra motoboys que fazem entregas tanto pelo iFood quanto pela Rappi que, na hora de cobrar, digitam um valor superior ao da compra em uma maquininha com visor danificado.

Há ainda outra modalidade do golpe. Se passando por atendente do restaurante, uma pessoa liga para o cliente e o informa de uma suposta taxa de entrega extra e, em seguida, pede os dados do cartão. O consumidor só percebe depois que a transação já foi efetivada, e os valores debitados.

Os consumidores não devem aceitar maquininhas danificadas e precisam ficar atentos ao valor digitado no momento da cobrança. Além disso, o Procon alerta que as pessoas não passem os seus dados bancários por telefone ao restaurante ou ao aplicativo.

“É importante ressaltar que essa prática fraudulenta afeta tanto os consumidores quanto o iFood. Os consumidores afetados pela fraude devem registrar boletim de ocorrência e entrar em contato com o iFood pelos canais oficiais de atendimento ao cliente via aplicativo, enviando o BO e extrato bancário para que a empresa possa retornar o mais breve possível”, diz a companhia, em nota.