O setor de panificação vem sendo prejudicado pelo contrabando e comércio ilegal de produtos, o que, consequentemente, faz com que parte da população esteja consumindo produtos fabricados de forma irregular, que não seguem norma sanitária. A prática dos vendedores ambulantes, que comercializam seus produtos perto das padarias, em 2017, causou queda no faturamento do setor que já soma R$ 2 bilhões.

O cigarro, que representa parcela expressiva do faturamento da padaria e de bares, também é contrabandeado, principalmente, no Paraguai.

O SinHoRes, membro do Fórum Nacional Contra a Pirataria (FNCP), denuncia a concorrência desleal e o crime contra a saúde pública perpetrada por vendedores ambulantes de alimentos, que atuam com a complacência das autoridades públicas, permitindo que as pessoas se alimentem na rua sem nenhum  rigor na higiene,  manipulação e armazenagem.