Plano de contingência Ciente de que uma eventual chegada do coronavírus ao Brasil pode atingir suas operações, a indústria hoteleira começou a colocar em prática, nesta terça-feira (28), um conjunto de medidas para reduzir o risco de contágio da doença. Além de transmitir aos hoteleiros as orientações oficiais do Ministério da Saúde e da Anvisa, a Abih-SP (associação do setor) iniciou conversas com outros segmentos do turismo para alinhar os procedimentos em relação ao vírus.

Reserva “Pelo que se escuta, isso deve chegar ao Brasil, não tem como fugir”, afirma Gláucia Sangiovanni, gerente da Abih-SP. A princípio, as medidas seguem as recomendações padrão de higiene e conscientização sobre o contágio. Bandeiras como Hyatt e Accor começaram a orientar seus funcionários. 

Check-in A Accor diz que também orientou seus hotéis a adotar condições flexíveis de cancelamento ou alteração de datas para hóspedes com viagem a China e outros destinos.

Diária A rede Hyatt emitiu um comunicado global a seus colaboradores sobre a doença. Todos os funcionários no Brasil receberam o material. 

Clima Na manhã desta terça, um cliente se surpreendeu ao ver funcionários do estacionamento do hotel Renaissance, na alameda Santos, em São Paulo, usando máscaras. Ouviu de um deles que elas serviam de prevenção contra o vírus chinês. À coluna, o hotel disse, mais tarde, que se trata apenas de proteção para a poeira da obra que está sendo feita no local.  

Mais tarde O surto de coronavírus adiou uma viagem de 25 empresários que iriam visitar o mercado de tecnologia chinês em missão promovida pela rede de empreendedorismo StartSe em fevereiro. Foi postergada para maio.

Paciência Na CNI, o tradicional Programa de Imersão em Ecossistemas de Inovação, que leva industriais brasileiros para conhecer experiências estrangeiras, também suspendeu sua primeira viagem do ano, que seria para a China, em março. Segundo a entidade, será remarcada em momento oportuno.

Fonte: Folha de S. Paulo